Connect with us

“Se eu fosse o meu suave creme de pêssego, onde estaria?”, digo eu para ninguém quando estou à procura da minha loção de banho favorita. Depois: “Aha! Aqui estás tu. Rolaste para debaixo da cama seu maluco”.

Eu falo muitas vezes sozinha. E não é só na privacidade da minha própria casa. Falo sozinha quando estou a descer a rua, quando estou no meu escritório ou quando estou a fazer compras. Ajuda-me a materializar aquilo em que estou a pensar.

Isso faz-me parecer louca. Pessoas malucas falam sozinhas, certo? Elas conversam com as vozes dentro das suas cabeças. Se estás a falar sozinha, todos pensam que és uma doente mental.

Tenho a certeza que muitas pessoas já me viram nas ruas de Lisboa e pensaram, “As drogas fizeram-lhe mesmo mal”.

Falares para ti mesmo, pelos visto, é um sinal de um génio.

As pessoas mais inteligentes no mundo falam sozinhas. Vejam os monólogos das mentes mais brilhantes. Vejam a poesia! Vejam a história!

Albert Einstein falava sozinho. Ele costumava repetir as suas frases para si mesmo em voz baixa.

Estão a ver? Não estou sozinha, e não sou completamente desvairada. Sou simplesmente muito esperta. Ha!
 

Falar para ti mesmo faz com que o teu cérebro trabalhe mais depressa.

Num estudo reportado pelos psicólogos Daniel Swigley e Gary Lupya, eles afirmam que falares para ti mesmo é actualmente muito benéfico.

Somos todos culpados disso, né? Mais vale celebrarmos e percebermos os benefícios.

Dizer as coisas para ti mesmo desperta a memória. Solidifica o objectivo final e torna-o mais tangível.


Falar para ti mesmo ajuda-te quando sabes o que precisas.

Se quiseres encontrar alguma coisa, dizer o nome do objecto em voz alta ajuda-te a encontrá-lo apenas quando estás familiarizado com a sua aparência.

Tens que saber do que é que estás à procura; caso contrário, vais apenas confundir-te. Segundo Lupyan:

Falares para ti mesmo nem sempre te ajuda — se não souberes como é que um objecto realmente se parece, dizer o seu nome pode não ter nenhum efeito ou atrasar-te em encontrá-lo.

Noutras palavras, não podes encontrar sentido em algo sem saberes com o que é que estás a lidar. Se souberes o que precisas e repetires o seu nome para ti mesmo, vais aumentar as tuas hipóteses de o descobrires.


Enquanto criança aprendeste falando para ti mesmo.

Bebés aprendem a falar ouvindo os crescidos e imitando o que eles dizem. Falar tem tudo a ver com prática.

Precisamos ouvir as nossas vozes para aprendermos a usá-las.

Um discurso auto-dirigido pode guiar-nos na direcção certa para os nossos problemas. Falando para nós mesmo estamos a concentrar-nos na tarefa que temos em mãos.


Falares para ti mesmo ajuda-te a organizares os pensamentos.

O que mais me ajuda quando falo para mim mesma é que sou capaz de organizar as inúmeras ideias que correm pelo meu cérebro.

Ouvir os meus problemas acalma-me. Estou a ser a minha própria terapeuta: a minha voz exterior está a ajudar o meu eu interior a resolver os seus problemas.

Segunda a psicologista Linda Sapadin, falares em voz alta para ti mesmo ajuda-te a validares importantes e difíceis decisões. Todos sabemos que a melhor forma de resolvermos um problema é falando sobre ele. Uma vez que é o teu problema, porque não falas contigo mesmo?


Falares para ti mesmo ajuda-te a atingires os teus objectivos.

Fazer uma lista de objectivos e decidir atingi-los pode ser muito difícil de fazer. Pode até ser devastador.

Ires falando para ti mesmo durante esses objectivos é uma forma muito mais eficaz para os atingires. Se te acompanhares durante o processo, cada passo irá parecer menos difícil e muito mais conciso.

As coisas vão começar a parecer mais realizáveis, e tu ficarás menos apreensivo em mergulhares nos teus problemas.

Falares para ti mesmo significa que és auto-confiante. Tal como Albert Einstein, pessoas que falam para elas mesmo são altamente competentes e contam com elas próprias para descobrirem o que precisam.

Nós “pessoas malucas” somos as mais eficientes e inteligentes da multidão. Nós tomamos tempo para ouvir as nossas vozes internas, em voz alta e orgulhosa!

Comments

Ciência

Ciência confirma: Sexo oral não é só divertido mas super saudável. Veja a prova!

Conheces alguém com quem querias partilhar esta pesquisa? 🙂

Published

on

Sexo oral = mais saúde?! Parece mais matéria de revista. Mas é justamente isso que uma pesquisa médica recente acaba de comprovar.

Dois cientistas austríacos estavam à procura do segredo da longevidade e acabaram por encontrar. A resposta, no entanto, apanhou-os de surpresa. Acredita se quiseres, mas o esperma guarda a chave!

O amor é saudável e deixa as pessoas mais jovens. Frank Madeo e Tobias Eisenberg, investigadores da Universidade Karl Franzens, em Graz, finalmente têm a prova. Eles compararam resultados de 6 países e o que descobriram é inacreditável.

A palavra mágica é: ESPERMIDINA! A substância é encontrada em grandes quantidades no sémen. Entre outras funções, ela tem propriedades singulares que, além de reparar células danificadas, ainda retardam o processo de envelhecimento. Se não bastasse isso, a espermidina também pode ser usada no tratamento de ansiedade e depressão.

Até a publicação desta última pesquisa, sabia-se apenas que o sémen era rico em vitaminas e proteínas. Mas os resultados obtidos pelos investigadores austríacos têm causado furor na comunidade científica. Com base nessas descobertas, especula-se agora que a espermidina possa ser usada também na luta contra as doenças de Alzheimer e Parkinson.

Eisenberg, um dos responsáveis pela pesquisa, diz:

“Parece que nós realmente encontramos o Santo Graal da pesquisa anti-envelhecimento. Um achado incrível, que pode beneficiar toda a humanidade!”

Para os menos aventureiros lendo esta matéria, além do esperma, a espermidina também está presente em alimentos como a soja, a toranja e os cereais, ainda que em concentrações bem menores.

Este vídeo explica tudo… tudinho:

É sabido que o sexo faz com que as pessoas sintam-se mais jovens e bem-dispostas. Mas que ele possa ter efeitos a longo prazo sobre a saúde é realmente uma descoberta e tanto. O resultado da pesquisa é unânime: Esperma faz bem à saúde!

Conheces alguém com quem querias partilhar esta pesquisa? 🙂

Continue Reading

Ciência

Se tens 1 destes 5 traços, tu és provavelmente mais inteligente que a maioria

Podes ir para a escola tanto quanto quiseres, mas existem algumas coisas com as quais nasceste ou fazem apenas parte da tua personalidade que te tornam mais inteligente do que a maioria.

Published

on

Podes ir para a escola tanto quanto quiseres, mas existem algumas coisas com as quais nasceste ou fazem apenas parte da tua personalidade que te tornam mais inteligente do que a maioria.

Eis a lista de 10 sinais que podes ser mais inteligente do que a pessoa comum que nada têm a ver com o teu QI ou se acabaste a universidade. Aqui estão alguns dos destaques:

Se és filho único ou o irmão mais velho.

Basicamente, ter a atenção completa dos pais desde cedo na tua vida ajudou a tornar-te uma pessoa inteligente. Por isso apenas os filhos únicos ou irmãos mais velhos têm uma vantagem de inteligência desde cedo, que nada têm a ver com o QI dos pais. Para as pessoas que têm irmãos, a criança mais velha normalmente tem o papel de “ensinar” no relacionamento. História verdadeira: mesmo que o meu irmão mais novo pense que é mais inteligente do que eu, jamais o deixarei esquecer que eu o ensinei a ler.

És canhoto.

Desculpem destros, mas a ciência diz que os canhotos são naturalmente mais criativos e melhores a lembrarem-se das coisas. De acordo com a pesquisa e estudos da Universidade de Atenas, as pessoas canhotas são melhores a criarem soluções e ideias criativas mais rapidamente quando são defrontadas com desafios mentais.

Ficas acordado até tarde.

A ciência diz que as pessoas que ficam acordadas até mais tarde têm rendimentos mais altos e são apenas mais inteligentes do que aquelas que acordam cedo. Os estudos mostram que as pessoas nocturnas são melhores em raciocínio indutivo e pensamento inovador também. Ficar acordado até tarde é uma das maneiras de te preparares para o sucesso porque é mais provável teres uma vida mais confortável.

Consegues fazer as pessoas rirem.

Um estudo feito nos anos 70 provou que os comediantes têm um QI mais alto comparado com outras pessoas comuns. Além de serem mais inteligentes, as pessoas engraçadas também são melhores conversadores e são mais atractivos sexualmente. Tendo dito isto, também foi provado que quão engraçado és relaciona-se com quantos parceiros sexuais tiveste.

És introvertido.

Existem muitas evidências por aí que mostram que as pessoas introvertidas são em média mais inteligentes. Por exemplo, um estudo feito pelo Gifted Development Center mostrou que 60 por cento das crianças dotadas são introvertidas. Os estudos também mostram que os introvertidos são verbalmente mais inteligentes que os extrovertidos.

E quanto a ti, tens alguns destes 5 traços? Se tiveres, partilha com os teus amigos e mostra-lhes quem é a pessoa mais inteligente do grupo 🙂

Continue Reading

Ciência

Ciência comprova: amar não é para quem pensa muito

O amor cede sempre ao coração e não respeita o cérebro. Aprender isso é um grande privilégio.

Published

on

O amor não é passível de tantas conclusões racionais. Mas é claro que ele pensa. Tenho refletido com uma certa frequência sobre o quanto nós, em muitas situações, acabamos tentando transformar o amor em uma espécie de razão ponderada.

Apesar da minha juventude, hoje reconheço que perdemos muito tempo tentando calcular os prejuízos e os lucros que envolvem o amor. Se fosse realmente possível fazer um balanço final sobre o amor e chegar a algum denominador comum certamente não estaríamos em um lugar satisfatório. Para falar bem a verdade, os prejuízos que o amor causa podem até ser maiores que os lucros, em última análise. Explico. Todo tipo de amor é realmente bastante desgastante.

Gostaria mesmo de saber onde nasce essa nossa tentativa de calcular os riscos do amor. É bastante recorrente vermos pessoas que tentam de todas as formas obter garantias de que um amor que bateu a sua porta, amanhã não vá decepciona-lo e ir embora de uma vez por todas.


Ser racional virou moda

Já reparou que denominar-se como uma pessoa “racional demais” pode soar com uma certa elegância aos demais? Hoje em dia é chique ser “racional”. Dessa forma, os sentimentais estão sempre do outro lado com suas emoções os dominando, são tidos sempre como pessoas tolas, ultrapassadas e arcaicas. São filhos de uma geração medieval, portanto ultrapassada e que ainda acreditam em um tipo amor que também já nem existe mais. Acho perigoso estarmos em meio a geração que ama, mas que tem como slogan: “Antes me preservar, do que arriscar”. O brio dos ditos “racionais” é falso. É até , de certa forma, irritante. Quem pensa assim, está fracasssado.

Sei que existem as pessoas que acreditam que o amor acontece numa esfera racional e até creio que em determinada fase isso ocorre. Um bom exemplo é quando identificamos que a outra possui uma combinação de valores parecida com as nossas, aí então, temos um sinal verde da mente para seguir em frente nesse investimento amoroso.

No entanto, aquilo que muitos chamam de “processo racional do relacionamento” é nada além de válida avaliação prévia de certificação de interesses, apesar disso, creio que o amor se autentica mesmo no campo sentimental.

O best-seller dos relacionamento chamado “Homens são de Marte, Mulheres são de Vênus”, escrito pelo terapeuta John Gray, afirma em suas linhas que, os homens são objetivos e menos afetivos, tendo uma dificuldade enorme de demonstrar seus sentimentos. E também apresenta as mulheres como seres que se comportam de forma completamente emocional, e por isso são mais emotivas e afetivas que o exemplar macho do ser humano. Será que esse quadro ainda se sustenta?  Eu creio que esta afirmação já não é real nos dias de hoje, no entanto esse mito perdura.


E se vivêssemos um amor que só pensa?

O que seria dos relacionamentos entre os  homem se utilizássemos apenas a “razão”? Como seria a nossas vidas? Poderia o ser humano suportar a dureza que é o sentimento diminuído pela razão? Os sentimentos, por outro lado, são expressões interiores e que geram ações.

Gilles Deleuze comparou o amor a uma certa demência e concluiu:

“O verdadeiro charme das pessoas reside em quando elas perdem as estribeiras, quando não sabem muito bem em que ponto estão. Não são pessoas que desmoronam, pelo contrário, nunca desmoronam. Mas se não captar a pequena marca de loucura de alguém não pode gostar desse alguém. Não pode gostar dele. É exatamente este lado que interessa. E todos nós somos meios dementes. Se não captar o ponto de demência de uma pessoa, eu temo que… Aliás, fico feliz em constatar que o ponto de demência de alguém seja a fonte de seu charme.”

Não sei se concordo planamente com Deleuze, mas considero que nós estamos bastantes doentes afetivamente por conta de toda essa apuração sem sentido a respeito do amor. É preciso sentir mais, viver mais , dedicar-se mais ao amor para depois pensar se vale ou não a pena investir tempo, carinho, dedicação em um relacionamento. Essa conta é vazia.

Sempre que colocamos o amor na balança para aferir se vale a pena ou não se entregar, o mínimo, estamos traindo a nós mesmos. Traindo a nossas emoções, a nossas descobertas, as nossas sensações. Enchemos as cabeças de dúvidas mirins a troco de que? De uma certeza que sequer podemos alcançar?

O amor nunca foi para os pensantes. Quem pensa demais não anda. Aliás, é  por si só ilógico. Ele cede quando tem razão, ele se encolhe quando é enorme, ele estica quando é curto, ele mata quando morre e morre quando mata. O amor cede sempre ao coração e não respeita o cérebro. Aprender isso é um grande privilégio.

Continue Reading

Mais Populares

Download gratuito de

7,250,164,321 razões porque podes fazer uma vida de sucesso online

Faz download gratuito do nosso guia e aprende como pessoas 'normais' estão a pegar nas suas habilidades, estão a transforma-las em negócios online e estão a ganhar a vida fazendo isso.
DOWNLOAD GRATUITO AGORA