datenow

Isto não é como nós amamos agora.

Geração-Y

Nós dizemos que o romance está morto porque é assim que namoramos agora

datenow

Isto não é como nós amamos agora.

Nós não nos comprometemos agora. Nós não vemos nenhum sentido nisso.

Sempre nos disseram que há muito peixe no mar, mas nunca antes aquele mar de peixes tido estado na ponta dos nossos dedos como no OkCupid, Tinder, Grindr, Ashley Madison, faz a tua escolha.

Podemos pedir um ser humano da mesma forma que podemos encomendar comida na Telepizza. Pensamos que a intimidade encontra-se numa seqüência perfeitamente executada de emojis. Achamos que esforço é um texto de “bom dia”.

Nós dizemos que o romance está morto, porque talvez esteja, mas talvez só precisamos de o reinventar. Talvez o romance na nossa era moderna seja colocar o telefone para baixo o tempo suficiente para olhar nos olhos um do outro no jantar. Talvez o romance seja apagar o Tinder do telefone depois de um primeiro encontro incrível com alguém. Talvez o romance ainda esteja lá, nós simplesmente não sabemos como se parece agora.

Quando escolhemos comprometer-nos ainda assim mantemos um olho aberto para outras opções. Queremos um belo corte de filé mignon, mas estamos muito ocupados a olhar para o medíocre buffet, porque a escolha… Ah, a escolha! Nossas escolhas estão a matar-nos. Pensamos que escolha significa alguma coisa. Pensamos que a oportunidade é boa. Nós pensamos que quanto mais hipóteses tivermos, melhor. Mas isso faz com que tudo seja desaproveitado.

Faz Play Neste Vídeo


Não nos importamos de nunca ficarmos satisfeitos, nós nem sequer entendemos como é que a satisfação se parece, soa, sabe. Nós mantemos um pé fora da porta, porque fora dessa porta é mais, mais, mais. Nós não vemos quem está bem na frente dos nossos olhos a pedir para ser amado, porque ninguém está a pedir para ser amado.

Ansiamos por algo que ainda queremos acreditar que existe. No entanto, nós estamos constantemente à procura da próxima emoção, da próxima sacudidela de excitação, da próxima gratificação instantânea.

Nós acalmamo-nos a nós mesmos e distraimo-nos e, se não podemos sequer enfrentar os demônios dentro do nosso próprio cérebro, como podemos esperar comprometermo-nos com alguma coisa, ou amar alguém mesmo quando não é fácil amá-los?

Nós fugimos. Nós saímos. Nós vemos um mundo sem limites de uma forma que nenhuma geração antes de nós alguma vez viu. Podemos abrir uma nova guia, olhar fotos de Portugal, sacar de um Visa, e reservar um bilhete de avião. Nós não fazemos isso, mas podemos. O ponto é que nós sabemos que podemos, mesmo se não tivermos os recursos para fazê-lo. Há sempre outras opções tentadoras.

Abrimos o Instagram e vemos a vida dos outros, a vida que poderiamos ter. Vemos os locais para onde não estamos a viajar. Vemos a vida que não estamos a viver. Vemos as pessoas com que não estamos a criar relações. Nós bombardeamo-nos com estímulos e perguntamo-nos por que é que somos miseráveis. Nós perguntamo-nos porque é que estamos insatisfeitos. Nós queremos saber porque é que nada dura e tudo se parece um pouco sem esperança. Porque, não temos ideia de como ver as nossas vidas por aquilo que são, em vez do que por aquilo que não são.

E, digamos que encontramos essa pessoa que amamos e que nos ama. Compromisso. Intimidade. “Eu te amo”. Fazemo-lo. Encontramo-lo. Então, rapidamente, vivemos para os outros. Dizemos às pessoas que estamos num relacionamento no Facebook. Nós colocamos as nossas fotos no Instagram. Nós fazemos tudo parecer brilhante e perfeito, porque o que nós escolhemos para partilhar são apenas as coisas em destaque.

Nós não partilhamos as lutas às 3h da manhã, os olhos avermelhados, os lençóis manchados de lágrimas. Nós não escrevemos atualizações de status sobre como o amor deles por nós brilha uma luz sobre onde nós não nos amamos a nós mesmos. Nós não tweetamos 140 caracteres de tristeza quando nós estamos a ter os tipos de conversas que podem fazer ou quebrar o futuro do nosso amor. Isto não é o que nós partilhamos. Imagem brilhantes. Casal feliz. O amor é perfeito.

Em seguida, vemos esses outros casais brilhantes felizes e nós comparamos. Somos a Geração de Emojis. A Cultura da escolha. A Geração da Comparação. Nunca antes tivemos uma cornucópia tão incrível de marcadores para o que se parece viver a Melhor Vida Possível. Nós partilhamos, partilhamos, partilhamos e logo nos encontramos em desespero.

Nós nunca vamos ser bons o suficiente porque o que nós estamos a tentar igualar simplesmente não existe. Essas vidas não existem. Essas relações não existem. No entanto, não conseguimos acreditar. Vemos isso com os nossos próprios olhos. E, nós queremos ver. E, vamos tornar-nos infelizes até que consigamos obter.

Então, nós terminamos. Nós terminamos porque não somos bons o suficiente, nossas vidas não são boas o suficiente, nosso relacionamento não é bom o suficiente. Nós fazemos scroll, scroll, scroll apenas um pouco mais no Tinder. Nós encomendamos alguém até à nossa porta tal como fazemos a uma pizza. E, o ciclo inicia-se novamente.

Emojis. Textos de “Bom dia”. Intimidade. Desligar o telefone. Selfie de Casal. Brilhante, casal feliz. Comparamos. Compararmos. Comparamos. A rasteira inevitável da latente e subtil insatisfação. As lutas. “Algo está errado, mas eu não sei bem o que é.” “Isso não está a funcionar.” “Eu preciso de algo mais.” E, nós terminamos. Outro amor perdido. Outro cemitério de brilhantes e felizes selfies de casal.

Vamos para a próxima. Procurando o mais elusivo. A próxima correção. A próxima gratificação. O próximo sucesso rápido. Vivendo as nossas vidas em 140 caracteres, snaps de 5 segundos, imagens filtradas, filmes de 4 minutos, a atenção aqui, atenção lá. Mais como uma ilusão.

Nós preocupamo-nos em ficar parados, o tempo todo fazendo-nos sofrer pensando que nada menos do que a filtrada vida brilhante e feliz que temos sido acostumados a se resolver. O que é ficar parado? Não sabemos, mas porra não quero isso. Se não é perfeito, é ficar parado. Se não está filtrada, é ficar parado. Se não é digna do Facebook, é ficar parado.

Percebemos que este “mais” que queremos é uma mentira. Queremos telefonemas. Queremos ver um rosto que amamos longe das luzes azuis de uma tela do telefone. Queremos lentidão. Queremos simplicidade. Queremos uma vida que não precisa de validação dos likes, tags, comentários e upvotes. Podemos não saber ainda que queremos isso, mas queremos. Queremos conexão, conexão verdadeira. Queremos um amor que constrói, não um amor que é descartado para a próxima conquista. Queremos voltar para casa para as pessoas. Queremos deitar as nossas cabeças no final das nossas vidas e sabermos que vivemos bem, vivemos o melhor que podiamos ter vivido. Isto é o que queremos, mesmo que nós não saibamos ainda.

No entanto, isto não é como nós namoramos agora. Isto não é como nós amamos agora.

Comentários

Somos a plataforma preferida da Geração-Y para os tópicos mais quentes e mais na moda dos dias de hoje, desde política a relacionamentos e tudo o que se encontra pelo meio.

CoffeeBreak © 2016 - Todo o conteúdo pertence aos seus utilizadores.

To Top

QUERES MAIS HISTÓRIAS COMO ESTA?

O botão mágico abaixo entrega-te as melhores histórias no Facebook.