apaixonar-casal

A questão é que se nós não estamos preparados para entender melhor o amor nunca seremos felizes.

Simone Becchetti
Geração-Y

10 Razões porque esta Geração está a perder a sua habilidade para se apaixonar

apaixonar-casal

A questão é que se nós não estamos preparados para entender melhor o amor nunca seremos felizes.

Simone Becchetti

Já imaginaste como é que a nossa geração será conhecida nas próximas décadas? Eu gosto de refletir regularmente sobre essa questão.

Há tantas coisas pelas quais poderiamos ser lembrados, mas se a história nos ensinou alguma coisa é que o negativo tende a durar ao teste do tempo, e não o positivo.

A minha maior preocupação é que a nossa geração vai ser encarada como a geração que desistiu do amor. Nós namoramos pelo prazer de namorar. Somos a geração que se esqueceu de como amar – o que é ridículo. A maioria das pessoas nunca teve uma boa compreensão do amor, apenas uma pobre interpretação.

Geração-Y parece ser a primeira geração a afastar-se dos compromissos convencionais dos relacionamentos românticos e amorosos.

A única questão que permanece é se nós vamos ser lembrados por sermos a primeira geração a aceitar uma visão mais lógica e racional sobre o amor ou a geração que desistiu dele completamente.

Faz Play Neste Vídeo


Eu acho que vais ter que ser o único a decidir.
 

1. Nós estamos mais preocupados sobre a gratificação instantânea do que com qualquer outra coisa.

A tendência mais comum entre a Geração-Y é a nossa necessidade de gratificação instantânea. Nós crescemos e continuamos a prosperar numa cultura que nos permite o acesso instantâneo a praticamente qualquer coisa.

Se queremos comida, é-nos entregue com o clique de alguns botões ou caminhamos um ou dois quilómetros e vamos buscar. Se estamos aborrecidos, nós temos distrações intermináveis na forma de aplicativos de telefone. Se precisamos de instruções ou de uma pergunta respondida, só levamos um par de segundos.

Tal conveniência é inteiramente um privilégio moderno – as gerações anteriores nunca viram nada nem remotamente perto disso.

O problema é que a gratificação instantânea é viciante e muitas vezes torna-se um hábito, um hábito que tende a infiltrar-se nas nossas vidas amorosas.

O amor não é feito para ser experimentado num momento, mas em toda a vida.


2. Nós construímos uma cultura orientada por drogas e álcool.

Isto vai de mãos dadas com a necessidade da nossa cultura de gratificação instantânea. Drogas e álcool são a forma mais comum de auto-medicação.

Quando nos sentimos tristes ou infelizes, nós saímos para beber. Quando estamos stressados ou incapazes de lidar com as nossas vidas, podemos recorrer a substâncias mais intensas. Claro, nem todo o mundo bebe álcool e / ou usa drogas, mas é uma tendência entre a nossa geração.

Drogas e álcool muitas vezes acabam por ser os piores inimigos do amor. Estas substâncias dão-nos a ilusão de uma realidade alternativa – uma realidade em que as nossas emoções são intensificadas, e o amor que sentimos torna-se exponencialmente intenso.

Infelizmente, tudo o que isso faz é confundir-nos, fazendo-nos acreditar que o amor é pouco mais do que os sentimentos que experimentamos. Nada poderia estar mais longe da verdade.


3. Nós dormimos fora – muitas vezes.

Alguns menos do que outros, mas a maioria das pessoas têm múltiplos parceiros a cada ano. Não me interpretem mal, eu gosto de sexo tanto quanto o colega ao meu lado, mas dormir fora acaba por deixar-nos vazios.

Começa por ser emocionante e gratificante, mas acaba por fazer-nos sentir ainda mais sozinhos. Pior ainda, isso faz com que encontrar alguém para amar seja infinitamente mais difícil. Estás a desperdiçar o teu tempo com pessoas que não significam nada para ti e, ainda por cima, é provável que transformes o sexo num desporto.

Quando isso se torna uma realidade, boa sorte em tentares fazer amor. Boa sorte em apreciares o sexo quando o sexo não é mais uma experiência especial ou exclusiva, mas apenas uma noite trivial.


4. Estamos a tornar-nos ainda mais egocêntricos.

Cada indivíduo no mundo é egocêntrico; todos nós pensamos sobre as nossas necessidades e nós mesmos em primeiro lugar. Se isso é bom ou mau realmente não importa; o mundo é do jeito que está. Faz parte da natureza humana.

O problema surge quando o nosso egocentrismo ultrapassa a nossa capacidade de sentir empatia. Como seres humanos, não temos escolha a não ser viver e funcionar dentro da sociedade, no seio das comunidades de diferentes tamanhos.

Os relacionamentos são realmente nada mais do que comunidades granulares. Quando nos concentramos em apenas nós mesmos, nossas necessidades, nossos quereres e desejos, as necessidades dos outros em nossa comunidade são esquecidos. Quando isso acontece num relacionamento, tudo começa a desmoronar.


5. Nós namoramos pelo prazer de namorar.

Tornou-se um desporto – um passatempo favorito entre a Geração-Y. Nós namoramos porque acreditamos que é suposto namorarmos. Nós temos que encontrar alguém para nos apaixonarmos e passar as nossas vidas, e nós estamos sob a impressão de que a melhor maneira de lidar com isto é namorar o maior número de vezes possível.

Esta lógica retardante traz inúmeros relacionamentos horríveis, que nunca deveriam ter acontecido em primeiro lugar. Sempre que saires com alguém que não é certo para ti, estás a desistir da hipótese de conheceres alguém que é. O mesmo vale para o resto do mundo.


6. Nós não somos fãs de fazer compromissos.

Nós gostamos de ter as coisas à nossa maneira, sempre. Porque não havemos de querer? Se nós podemos ter tudo à nossa maneira, porque devemos contentar-nos com menos?

Essa lógica faz sentido até que nos encontremos num relacionamento. Quando nós somos uma parte de um relacionamento, somos apenas uma parte de um todo maior. O que nós queremos e precisamos não é tão importante quanto o que o relacionamento precisa.

E o que a relação muitas vezes precisa é que tu te comprometas. Então ficas com um dilema, que é bom, contando que consegues aceitar os compromissos que precisam de ser feitos. Assim que deixarmos de aceitar isso como uma necessidade, vamos perder a capacidade de criar um relacionamento amoroso


7. Acreditamos nos finais dos contos de fadas.

Qual foi a nossa coisa favorita que assistimos enquanto cresciamos? A maioria das pessoas da nossa idade vai dizer Disney. Nós crescemos vendo filmes da Disney e aprendemos tudo sobre o amor através das histórias que contavam – ou pelo menos eu aprendi.

O problema é esses filmes são extremamente imprecisos e muitas vezes acabam fazendo mais mal do que bem. Eles criam expectativas impossíveis – expectativas que nos deixam sempre desapontados no final, para não mencionar confusos.

Como poderias não questionar o teu amor por alguém quando a vossa história não se alinha com o que tu acreditas que define um felizes para sempre?


8. Temos sido enganados em acreditar que a perfeição é atingível.

Não é. Nunca foi, nunca será, e, no entanto, todos nós estamos a olhar para aquele indivíduo perfeito. Estamos todos à procura de nos tornarmos o indivíduo perfeito. Infelizmente, vamos todos falhar, e isso vai ser duro demais.

Não importa o quão realistas são as nossas expectativas, a decepção que sentimos quando elas não são alcançadas é muito real.

A relva parece sempre mais verde do outro lado. Mas quem diabos te disse para olhares para uma relva mais verde?


9. Somos impulsionados por objectivos, mas muitas vezes nos esquecemos de incluir os nossos parceiros na mistura.

Eu amo o facto de que a nossa geração é realmente a primeira geração a colocar o foco no indivíduo, permitindo o crescimento e desenvolvimento pessoal. Estou orgulhoso que a nossa geração seja a primeira geração que acredita que trabalhar para nós mesmos é melhor do que trabalhar para alguém.

Ter sonhos e estabelecer metas é extremamente importante; no entanto, o que é mais importante é definir os objetivos certos. Precisamos de entender a diferença entre as coisas e as pessoas na nossa vida que possuem valor e aquelas que não o fazem.

Infelizmente, esta é uma área em que a nossa geração está a falhar muito. A maioria de nós não quer encontrar alguém para amar até termos o resto da nossa vida planeada. Não sei por que é que ninguém percebe que encontrar um parceiro é a peça mais importante do quebra-cabeça.


10. A maioria de nós é realmente muito mau a amar.

O amor é confuso. Tem camadas e é mutável, mudando ao longo do tempo e mudando a cada novo parceiro que deixamos entrar nas nossas vidas. O amor é tão incrivelmente complexo que a maioria das pessoas simplesmente não tem sido capaz de obter uma compreensão do mesmo.

Não é nada que se devam envergonhar, mas é motivo para se preocuparem. A verdadeira questão é: Será que estamos a ficar melhor ou pior a amar? Essa é uma pergunta que eu não sou capaz de responder, mas temo que talvez seja tarde de mais.

É claro que cada indivíduo é diferente no seu entendimento, mas a maioria das pessoas parecem estar incrivelmente perdidas. A questão é que se nós não estamos preparados para entender melhor o amor – seu propósito, seus limites e suas deficiências – nunca seremos felizes.

Isso é nada menos do que uma realidade.

Comments

Somos a plataforma preferida da Geração-Y para os tópicos mais quentes e mais na moda dos dias de hoje, desde política a relacionamentos e tudo o que se encontra pelo meio.

CoffeeBreak © 2016 - Todo o conteúdo pertence aos seus utilizadores.

To Top

QUERES MAIS HISTÓRIAS COMO ESTA?

O botão mágico abaixo entrega-te as melhores histórias no Facebook.